11 janeiro 2021

Sobre COPIAR fotos

Eu tenho observado que muitos artistas, profissionais ou não, tem uma certa vergonha de dizer que utilizaram uma foto como referência, ou 'copiaram' a fotografia. Há muita gente que critica essa prática com o argumento que 'pra que fazer isso se pode tirar uma foto?' ou, 'ah, assim você não está se expressando'. 

Eu confesso que há em mim também um lado que tem receio de ser categorizado nesse balaio de quem 'só copia foto'.

Por outro lado, começa a crescer e se fortalecer a consciência de que TUDO BEM, eu adoro copiar fotos, quer seja de natureza, da figura humana ou de cenas urbanas!! E está tudo certo com isso, e vou continuar com essa prática enquanto me der prazer. 



Acho, assim, que não temos que ter vergonha de 'copiar'. Sabe porque? Porque se dermos a mesma foto de referência para mil pessoas, teremos mil desenhos diferentes. Mesmo que todos se esmerem, se dediquem ao máximo em 'copiar' a tal foto. Isso vale inclusive para o desenho urbano de observação. Cada um traz consigo uma bagagem diferente, técnica e emocional. 

Eu li esse dias uma resposta de artista hiperrealista a um comentário jocoso sobre um trabalho dele: a pessoa disse "nossa, você não cansa de só copiar fotos?". A resposta do artista, firme e elegantissima, foi uma aula. Ele convidou a pessoa a ir ver um trabalho dele pessoalmente, em uma galeria de arte. Se colocou a disposição para estar lá, e apresentar o trabalho para ela, falar sobre sua técnica, suas intenções, sobre seu processo. Ele disse que modificava partes da foto, e que desenhava 'na raça', ou seja, sem 'tracing'. Mesmo que não fosse, não importa.

Eu estou encontrando minha paz com isso. E, claro, isso pode mudar, ou seja, pode chegar o dia que eu cansarei disso e resolva outra coisa. Devo me manter aberto também à minha consciência.

Também chego a conclusão que, pelo menos por enquanto, a natureza e a figura humana, exatamente como são, com toda a sua beleza e magnitude, me bastam! Eu não sinto vontade de mudar uma pedra, um cílio que seja, desde que não afetem negativamente a imagem. O mesmo vale para cenas urbanas. Cada poste, portão de ferro, rachadura na calçada são um universo em si e que MÁGICO poder retratar aquilo!! Claro, mais uma vez, desde que não interfiram na minha composição, me atrapalhem no conjunto, etc.

Uma vez enquanto eu desenhava o Pão de Açúcar ao vivo no Rio de Janeiro, uma criança me perguntou: "Você está copiando?" Eu falei "Sim!"...o que eu dizer àquela criança?

Copiar o mundo no papel é FANTÁSTICO!

16 novembro 2020

Curso de Perspectiva - Módulo Intermediário

Com o módulo básico em andamento, em breve estaremos iniciando o módulo intermediário, onde vamos estudar os fundamentos de perspectiva linear através de muitos exercícios. 

O curso começa em 1º de dezembro e serão 7 aulas que ocorrerão às terças e quintas, das 19 às 21h00 pelo Zoom.

Eu já produzi muito material para meus demais cursos e meu livro, mas produzi agora novos exercícios especialmente elaborados para os alunos compreenderem e praticarem essa ferramenta tão importante que é a perspectiva!

O investimento para o módulo intermediário é de R$ 690,00, podendo ser pagos das seguintes formas:

  • pagamento à vista, com 5% de desconto ou;
  • duas parcelas de R$ 345,00.


Interessou? Me envie um WhatsApp ou e-mail (ver flyer).

Restam poucas vagas, pois muitos alunos do módulo básico vão continuar nesse módulo.

13 outubro 2020

Curso de Perspectiva do Bajzek

 Após cerca de 10 anos dando aulas de desenho, criei um curso focado no estudo da perspectiva linear e tridimensionalidade do objeto e espaço. Estes temas, evidentemente, estiveram presentes em todos meus cursos, até então acompanhados de técnicas e outros assuntos. O meu livro “Técnicas de Ilustração à Mão Livre”, traz um capítulo especial sobre ele, além das demais abordagens ligadas ao desenho do objeto e do espaço.

Pude contribuir também para os livros “The Perspective Workbook”, de Matthew Brehm e “Understanding Perspective”, de Stephanie Bower, ambos autores reconhecidos por sua excelência nessa área.


FORMATO DO CURSO

As aulas serão realizadas on-line, na plataforma Zoom e terão, cada uma, duração de 2 horas.

Além das aulas on-line, o aluno terá acesso direto ao professor através de e-mail e/ou WhatsApp para tirar suas dúvidas. Será incluído em grupo de WhatsApp, criado para divulgação de informações gerais sobre as aulas e feedbacks. 

Poderá ainda participar, a seu critério, do “GRUPO DO BAJZEK”, onde trocamos ideias sobre obras, história da arte e dicas de técnicas e materiais.

DIAS E HORÁRIOS

As aulas acontecerão sempre às terças e quintas, das 19h00 às 21h00.

O curso está dividido em 3 MÓDULOS:

  • Básico;
  • Intermediário;
  • Avançado (a definir datas);

CRONOGRAMA DAS AULAS

Básico
Novembro: dias 03, 05, 10, 12, 17, 19, 24

Intermediário
Dezembro: dias 01, 03, 08, 10, 15, 17, 22

Avançado
Início de 2021:a definir datas



DESCRIÇÃO DAS AULAS

MÓDULO BÁSICO – Novembro de 2020

Neste módulo serão estudados:

  • Compreensão dos planos;
  • Construção dos sólidos;
  • Construção Isométrica;

Essas três abordagens são fundamentais para que possamos criar um embasamento para a percepção tridimensional. Estudando cada uma destas etapas, vamos nos preparando para a compreensão visual e construção mecânica da perspectiva linear. 

Aula 01
Planos: Desenho de planos em diversas orientações. Materialidade dos planos e sombras de marcação. 

Aula 02
Sólidos: Construção de sólidos simples a partir de planos de base.

Aula 03
Sólidos: Desenvolvimento de sólidos: corte, reentrâncias e saliências. 

Aula 04
Perspectiva Isométrica: fundamentos, uso do esquadro e medidas. Aplicação básica.

Aula 05
Perspectiva Isométrica: exercícios I.

Aula 06
Perspectiva Isométrica: exercícios II.

Aula 07
Reforço e considerações finais.


MÓDULO INTERMEDIÁRIO – Dezembro de 2020

Neste módulo serão estudados:

  • Perspectiva com 01 ponto de fuga;
  • Perspectiva com 02 pontos de fuga;

Após criarmos um bom embasamento através do estudo dos planos e sólidos, incluindo a compreensão das direções opostas e verticais, vamos neste módulo nos debruçar sobre a montagem de perspectivas utilizando 01 e 02 pontos de fuga. Os estudos terão profundidade na medida certa, trazendo a construção mecânica evitando, no entanto, complexidades desnecessárias.

Aula 01
Conceitos básicos. Componentes da Perspectiva. Estrutura da perspectiva com 01 ponto de fuga. Exercício.

Aula 02
Exercícios práticos: cavidades e saliências.

Aula 03
Subdivisão de planos em perspectiva. Método das diagonais.

Aula 04
Estrutura da perspectiva com 02 pontos de fuga. Exercício.

Aula 05
Construção de sólidos com 02 pontos de fuga.

Aula 06
Perspectiva de um ambiente interno.

Aula 07
Reforço e considerações finais


MÓDULO AVANÇADO – Início de 2021: Aguarde informações!


VALORES E FORMA DE PAGAMENTO

SOLICITE informações no e-mail ou WhatsApp mencionados na imagem acima!

SOBRE OS MATERIAIS

  • Lapiseiras 0,3 (grafite B) e 0,5mm (grafite 2B e 3B); 
  • Borracha macia marca Monolight, Staedler ou similares;
  • Borrachas tipo lapiseira Mono – Tombow, 2,3mm e/ou 3,8mm;
  • Limpa-tipos (borracha artística maleável);
  • Canetas nanquins descartáveis – 0,05 e 0.1mm;
  • Material para colorir (o que tiver disponível: aquarela, markers, por ex.);
  • Jogo de esquadros 30º e 45º - tamanho médio;
  • Pranchetinha para base dos desenhos. Como essa aqui.


27 janeiro 2020

Birigui, bom revê-la!


Semana passada estive novamente na cidade de Birigui, no interior de São Paulo, para uma série de atividades realizadas na unidade do Sesc: foi uma oficina de aquarela para terceira idade, uma demonstração de desenho e aquarela e uma oficina de desenho urbano.
Estive em Birigui, pela primeira vez, quando da inauguração do Sesc da cidade, em 2017, e produzi na época uma série de imagens que se tornaram cartões postais. Veja neste post.
Além dos postais, realizei duas oficinas de desenho urbano, ainda naquele ano.

Meu retorno se deu agora, em virtude da realização de uma exposição com as aquarelas que viraram os postais. Foi ótimo rever o trabalho e saber que um monte de gente mandou os postais pelo correio, já que havia uma caixa para as pessoas depositarem os postais que seriam mais tarde remetidos. Muito legal a iniciativa.

Enfim, as oficinas foram ótimas, com um público bastante variado e entusiasmado.

No sábado, durante o dia todo praticamente, realizei um desenho na área de convivência para mostrar ao público o processo de criação da imagem. O desenho me tomou em torno de 6 horas, mas valeu a pena.

Seguem algumas fotos das oficinas e atividades:









26 janeiro 2020

São Paulo 466

Ontem a cidade de São Paulo comemorou 466 anos de história. As pessoas estavam alegres e pareciam orgulhosas no centro da cidade, onde havia muitas atividades como shows e concertos de música clássica.
O pessoal do grupo Urban Sketchers São Paulo se reuniu nas escadarias do Teatro Municipal e imediações e eu me juntei ao grupo, mesmo que a uma certa distância. Queria muito fazer um desenho do teatro.
Sentei com o amigo Luiz Celestino na calçada oposta, em frente ao Shopping Light, mas o sol saiu após 30 minutos e me deixou apenas com um esboço feito de caneta azul no caderno.
Mudamos para a sombra da marquise do antigo Mappin, e eu fiz o desenho pequeno, com canetas cinzas. Eu e o Luiz perdemos a foto do grupo mas almoçamos muito bem, no vegetariano Apfel ali perto.
Depois so almoço voltamos à calçada do shopping Light e aproveitamos a sombra do próprio edifício para continuarmos nossa atividade, que durou cerca de 4 horas! O Luiz, desenhando em pé, fazia às vezes de interlocutor com os passantes. As pessoas conversaram bastante com a gente, e a gente estava sempre disposto, embora havia o medo de um copo de cerveja ou sorvete estragar nosso desenho!
Valeu a pena!
Terminei o dia comprando uns quitutes na padaria do Olivier, na Praça da República. Fantástico.

Hoje escrevi os textos na página do caderno.

15 dezembro 2019

Bruxelas - De St. Michele Gudule ao Ricotta & Parmesan

A chegada em Bruxelas a partir de Amsterdam foi 'suave'. Após check-in e café, fomos mergulhar no centro histórico dessa cosmopolita (e um pouco estranha) cidade.
Nossa primeira parada foi longa, já que nos encantamos com o interior da Cathédrale de Saint Michel et Gudule. Santo Michel e Santa Gudule são patronos de Bruxelas.
 A construção da catedral, em elegante e harmonioso estilo gótico, foi iniciada no início do séc XIII mas só foi concluída em 1519. Suas torres de 64 metros de altura são atribuídas ao mesmo arquiteto da prefeitura da cidade (hotel de ville/town hall) - Jan Van Ruysbroeck.
Do interior, nos impressionou as estátuas dos 12 apóstolos, conjugadas às colunas da nave, e o belíssimo púlpito, criado em 1699 pelo escultor Hendrik Frans Verbruggen.
Desenhamos por uma hora e meia lá dentro.

Depois de um lanche rápido seguimos para a Grand Place, o coração da cidade, inundada por turistas.
Sua feição rebuscada, oriunda das intensamente ornamentas fachadas góticas e barrocas é impressionante. O ouro dos ornamentos atrai o olhar. A torre de 96 metros do Hotel de Ville, coroada por uma estátua de St. Michel, representa o apogeu dessa opulência.
Sentamos novamente para desenhar, em um dos extremos da praça. Que tarefa!! 😅
Ficamos lá por cerca de duas horas, abandonando nossos desenhos pelo cansaço.
O movimento incessante de turistas e artistas de rua contribuiu para nossa fadiga mental, recuperada um pouco mais tarde, em uma deliciosa 'taberna' onde comemos uma massa deliciosa. O restaurante Ricotta & Parmesan foi um excelente achado, tanto pela comida quanto pelo ambiente propício para, acreditem, mais alguns sketches!
























10 dezembro 2019

Amsterdam: seus barcos como tema.


O dia em Amsterdam pareceu voar. Talvez tenhamos acordado tarde...não havia pressa. Nossa intenção era apenas passear tranquilamente e desenhar.
O tema do dia foram os barcos. Sentamos a beira do canal principal da cidade e desenhamos alguns barcos ancorados à margem, calmamente. Mais tarde, visitamos o Maritime Museum, algo que eu querida fazer desde a primeira vez que estive na cidade. Infelizmente entramos no museu meio tarde, e logo tivemos que deixá-lo. Estranhei muito um museu, em plenas férias de verão, fechar às 5 da tarde! As duas horas que ficamos lá passaram rápido já que sentamos para desenhar por alguns momentos.
Mais tarde, fizemos mais um desenho, dessa vez sob a sombra do Nemo Science Museum.
No dia seguinte embarcaríamos para Bruxelas!


09 dezembro 2019

Primeiros dias pós-simpósio - Missão cumprida + alívio

[English bellow] O dia seguinte ao simpósio, um domingo, foi de descanso total. Não cheguei nem a desenhar. Acordei mais tarde e segui com os compromissos usuais: check-out de um hotel, check-in em outro, lavanderia, etc.
Já na segunda-feira, começaram as férias que compartilhei com uma pessoa muito querida. 
Começamos o dia andando tranquilamente pela região de Joordan. Almoçamos no Café Thijssen e seguimos para o Westerpark para enfim chegarmos ao nosso destino principal no dia: O Het Schip.

"O Navio", como é conhecido este edifício residencial projetado pelo arquiteto Michel de Klerk, foi concluído em 1920 e é um expoente da arquitetura expressionista da época, tornando-se mundialmente conhecido.
O prédio abrange toda uma quadra em forma de ponta de lança, formando um páteo central para onde muitos dos apartamentos são voltados. Caminhar em volta da curiosíssima construção é uma passeio delicioso. É de se apaixonar por tantos detalhes encantadores, e ao mesmo tempo, tanta harmonia e força de conjunto. A mistura de materiais é também notável, com predominância do tijolo vermelho. Uma faixa de tijolo escuro percorre todo o perímetro ao nível do primeiro andar. As portas dos apartamentos térreos são verdes, quase sempre em halls recuados em charmosas arcadas.


Sentamos para desenhar e ali permanecemos por duas horas! Ficamos cansados, claro. Impressionante como o tempo passa rápido quando estamos desenhando, ainda mais em um lugar tão tranquilo e com um tema tão interessante!
Aqui, três momentos do desenho:

O desenho feito no local, durante 2 horas.
A continuação do mesmo, alguns meses depois, com mais texturas e algumas sombras. Adicionei também o lettering.
O desenho concluído, colorido com aquarela.

Mais tarde fomos tomar um café e uma gostosa ginger beer (uma espécie de cerveja sem álcool da qual me tornei fã!) em uma prainha fluvial de fronte para 'Het IJ', o braço de mar que margeia a cidade.




***

The day after the symposium was taken, pretty much, for resting. It was a quiet, calm Sunday.
I woke up later and had to deal with some normal travel stuff: check out at one hotel, check in at another, laundry, etc. I didn't  draw.

On the nex day, Monday, my vacation started on, which I shared with a beloved person.
We started the day with a relaxing walk through the Joordan area. Then we had lunch at Café Thijssen and headed to Westerpark to finally reach our main destination on the day: The Het Schip.

"The Ship", how this residential building, designed by architect Michel de Klerk, is known, was completed in 1920. It is world renowned as an exponent of the expressionist architecture of the time.
The building spans an entire block, forming a central courtyard where many of the apartments face. Walking around this curious building is a delightful ride. It's not difficult to fall in love with the marvelous details, as well as the overall strength and design harmony. The mix of materials is also remarkable, with a predominance of red brick. A strip of dark brick runs the entire perimeter at the first floor level. The doors of the ground floor apartments are green, hidden in charming halls under  arcades.

We sat down to draw and stayed there for two hours! We got tired, of course. Amazing how fast time goes by when we are drawing, especially in such a quiet place and with such an interesting theme!

Above, you can see three moments of the drawing: the sketch as it was left on the spot (2 hours on site), the ink drawing after I added more texture, shadows and the lettering (already back in my studio) and the final piece, water-colored.

Later we had a nice coffee and a delicious ginger beer (a kind of non-alcoholic beer that I became a fan of!) at a riverfront beach on 'Het IJ', the sea arm that borders the city.

06 dezembro 2019

Início de viagem corrido...Mais sobre o simpósio de Amsterdam!

Durante os primeiros dias de minha viagem à Amsterdam, eu passei boa parte do tempo me preparando no local das minhas oficinas - the Oudemanhuipoort - uma antiga passagem que liga dois canais entre prédios da universidade de Amsterdam, próximo a Nieuwmarket.
Eu fui diversas vezes ao local, durante 3 dias, em diferentes horários. Conheci um senhor chamado Walter, um dos livreiros do local. Ele foi simpático comigo, sem ser impertinente. Eu, do meu lado, tentei ser educado, pois levaria um grupo de pessoas para ali desenhar dias mais tarde, e sempre há o receio de atrapalhar.
Fiz muitos estudos lá! Desenhos em diversos estágios para auxiliar minhas demonstrações, em diferentes pontos de vista. Depois de alguns dias eu estava preparado!

Estudo sequencial realizado em Oudemanhuispoort. Lápis grafite.


Na manhã do primeiro dia fiz um sketch rápido da torre da Zuiderkerk, onde o simpósio foi sediado. No outro dia à tarde, tive algumas horas livre e fui desenhar. Fiz um sketch preguiçoso, rapidamente, pois estava muito calor, muito calor! 37ºC não é para brasileiro nenhum botar defeito.






















Os demais dias do simpósio passaram voando. Além das oficinas, eu dei uma palestra (na verdade, uma 'light-talk') e fiz uma demonstração.

03 dezembro 2019

10º Simpósio Internacional de Urban Sketchers em Amsterdam

Gabi Campanario - Fundador do grupo Urban Sketchers / Amber Sausen (Atual Presidente) e Ruud Otten e Gail Anne Howard (Organizadores locais)
Em julho deste ano aconteceu o 10º simpósio internacional de Urban Sketchers, na cidade de Amsterdam.
Esta foi minha 7º participação nos simpósios:

  • Lisboa (2011): participante;
  • Santo Domingo (2012): instrutor;
  • Barcelona (2013): instrutor;
  • Paraty (2014): organizador;
  • Chicago (2017): participante / demonstração;
  • Porto (2018): instrutor / demonstração;
  • Amsterdam (2019): instrutor / demonstração;

Assim, já fui 4 vezes instrutor de workshop e realizei 3 demonstrações. Tenho um certo orgulho desses números, não tenho como negar.

Amsterdam foi certamente um dos simpósios mais legais, com um 'hub' maravilhoso: uma antiga igreja que hoje é usada para eventos diversos. A hospedagem destinada aos instrutores era próxima deste local, o que facilitou muito. O meu workshop aconteceu também próximo ao hub do evento.

A cidade é absolutamente encantadora. Não faltam opções para desenhar! Talvez o único inconveniente é o excesso de turistas e de calor! Tivemos nada menos que 37 graus durante o evento! Bem, dois 'problemas' que são inevitáveis quase que em qualquer lugar da Europa, à essa época do ano.

Seguem abaixo algumas fotos dos meus workshops e do evento em geral
Oudemanhuispoort, local dos meus workshops

Oudemanhuispoort, em desenho elaborado no local, que foi leiloado ao final do evento
Cenas do meu workshop

Marilia Varella, uma das participantes, amiga do UsK Brasil

Primeiro grupo

Segunda turma

Terceira turma

Na véspera do simpósio, tivemos a oportunidade de visitar a fábrica da Royal Talens,
grande fabricante de materiais artísticos.
 Passamos algumas horas incríveis testando diversos materiais e aproveitando alguns mimos!

O "Experience Center" onde testamos diversos produtos e o acesso à fábrica!
Vimos a produção de aquarelas!

Queridos e talentosos amigos sketchers - Eu, Norberto Dorantes, José Louro, Pedro Alves,
Fernanda Lamelas e Nelson Paciência 

O grande aquarelista e querido Eudes Correia.

A grande mesa de desenhos doados por artistas e instrutores para
contribuir para a organização

Encerramento do simpósio em Amsterdam